Existem várias formas possíveis para se montar um pequeno minhocário dentro de casa, assim como as finalidades também podem variar. Nem sempre aquilo que nos dizem sobre compostagem de lixo ou sobre minhocas se aplica às nossas condições, mas o mais importante é experimentar e não desistir. No fim das contas daremos a nossa contribuição ao planeta, modesta mas muito válida.

Veja na página MINHOCAS a diferença entre os termos compostagem e vermicompostagem e a importância de reduzirmos o nosso “lixo”.

IMPLANTANDO UM MINHOCÁRIO DENTRO DE CASA

1- Material necessário

a) Caixa com tampa – essas caixas organizadoras de plástico servem, mas se for possível optar por caixas de madeira é melhor, embora requeiram alguns cuidados extras (a madeira não pode ser tratada com certos produtos tóxicos);

b) Garfo/ancinho de jardim;

c) Folhas secas;

d) Punhado de terra qualquer e algumas minhocas.

2- Local

A primeira coisa a pensar é onde será o local de trabalho das minhocas. Se existe um pequeno pátio disponível (ideal), basta empilhar alguns tijolos em forma de chiqueirinho diretamente sobre o solo, à sombra e protegido da chuva. Infelizmente essa não é uma situação comum na cidade, no nosso caso precisaremos escolher algum cantinho dentro de casa protegido do sol e mais ou menos bem ventilado para colocarmos a nossa caixa.

3- Folhas secas, terra e minhocas

A seguir vamos até a praça ou terreno disponível mais próximo, juntamos um bocado de folhas secas (o suficiente para formar uma “cama” no fundo da caixa e para cobertura), um punhado de terra e algumas minhocas coletadas no mesmo local. A terra será importante como abrigo para as minhocas nessa fase inicial, visto que nem todas apreciam resíduos muito frescos, e também para controlar o processo de fermentação que pode acontecer.

Esses “ingredientes” iniciais garantem a inoculação do ambiente com microorganismos que também são importantes no processo de decomposição da matéria orgânica, além das minhocas. Ou seja, reproduzimos em pequena escala as condições ambientais para que o nosso “lixo” seja transformado em novos nutrientes.

4- Colocando a fábrica em funcionamento

Vamos lá! Forme uma cama de folhas secas no fundo da caixa, coloque uma parte da terra com as minhocas em um canto dela, despeje o seu lixinho orgânico que antes era levado pela coleta municipal sobre essa terra, e por cima disto espalhe o restante da terra (não precisa cobrir totalmente). Por fim, mantenha toda pilha sempre coberta com folhas secas, pois isso ajuda a regular a umidade e a manter o microclima adequado para os microorganismos .

5- Manutenção

Forme pilhas com os restos vegetais em vez de espalhar tudo pela caixa. De tempos em tempos (1 ou 2 semanas – no início do processo esse período varia muito) revire o conteúdo com cuidado – quanto menos pertubar as minhocas, melhor – e verifique a umidade. Se estiver muito seco, adicione água. Se estiver muito úmido coloque mais um pouco de terra, folhas secas ou mantenha a tampa aberta por uma noite – tente ver o que é mais adequado para a situação.

A regulagem da umidade na caixa é crucial para o bom funcionamento do sistema. Se a quantidade dos restos depositados diariamente for grande é bem provável que seja necessário drenar o chorume (liquido originado da decomposição da matéria orgânica), bastando para isso fazer um pequeno furo no fundo da caixa e colocar algum recipiente para apará-lo.

6- Possíveis problemas

a) Mau cheiro: pode ser indicativo de excesso de umidade e/ou falta de oxigênio;

b) Minhocas fugindo da caixa: pode ser que a situação não esteja favorável para elas. Verifique se a massa de matéria orgânica depositada que eventualmente tenha entrado em processo de fermentação não está muito grande, pois a temperatura pode se elevar muito – nesse caso espalhe um pouco pela caixa, se necessário coloque um pouco de terra comum seca. Verifique se há excesso de umidade.  Verifique se há super população de minhocas. Se a caixa estiver parada há muito tempo pode ser que esteja faltando comida.

7- O que colocar na caixa

Podemos colocar no minhocário à vontade:

a) restos de verduras, legumes, cascas de frutas, erva de chimarrão, sachê de chá, palitos de fósforo;

em pequenas quantidades:

b) cinzas, borra de café;

colocar raramente:

guardanapos de papel.

Não pode ser colocado na caixa: carnes, laticínios, restos de comida salgada ou gorduras.

Observação:  Evite desperdício de alimentos, comida jamais deveria ir fora!

8- Quando a caixa encher

Se o composto não estiver em ponto de ser retirado/colhido, deixe essa caixa em repouso, retire parte das minhocas e inicie outra.

9- Colheita de húmus

O nosso composto orgânico ou húmus estará pronto quando estiver com cheiro agradável de terra, e ao pegarmos na mão percebemos que não gruda, limpando facilmente os dedos.

Dica: se quiser use uma peneira para homogeneizar o composto, ficará com uma aparência muito boa!

Anúncios